Notícias

30/ 05/ 2022

Feira no Centro de Santos apresenta novidades para os amantes do café

Tags:

Em comemoração ao Dia Nacional do Café, o Boulevard da Rua XV de Novembro (Centro Histórico) recebeu os amantes do cafezinho durante a 4ª edição da feira temática Mercado Coffee, organizada pelo Museu do Café.

O local escolhido é justamente um dos mais importantes para a história da economia santista e brasileira. No início do século XX, o café foi o principal produto exportado pelo país e era na Rua XV que era negociado antes de ganhar o mundo.

Morador de São Paulo, o administrador Jefferson Escobar visitou pela primeira vez o Centro de Santos e se encantou com a viagem histórica. “A feira está linda e completa. Esse passeio maravilhoso me ajudou a conhecer lugares e histórias que só tinha visto nos livros de história. Quando você vê o local por onde chegava e saia todo o café que gerava nossa riqueza é impressionante”.

O evento contou com opções de grãos gourmet, métodos de preparo, padaria artesanal, utensílios de madeira de café, papelaria, cerveja artesanal, sorvetes, doces e itens para presente. E não faltaram opções para quem gosta de novidade. Uma das barracas que chamava a atenção do público era reservada para venda de cachaça saborizada com café.

O empresário santista Pedro Eduardo Antonelli já têm experiência em saborizar cachaças, mas há 3 anos resolveu atender a um pedido especial. “Um amigo que amava café nos pediu para tentarmos uma mistura com a bebida preferida dele e resolvemos tentar. Desenvolvemos essa receita e nos dá muito orgulho, pois tem feito muito sucesso”.

DOCE

E se o amargo do café ganhar um toque doce? Foi apostando nisso que a doceira Ana Cláudia Monteiro resolveu juntar duas paixões: a de fazer doces com a do seu passado familiar ligado ao café. “Meu pai era corretor de café e meu irmão é corretor no sul de Minas. Estudei gastronomia e me especializei em doces, com os quais comecei a empreender há 10 anos, com bastante sucesso, mas há 6 anos passei a investir em criações de receitas de doces com o café e o resultado está aí”. Aliás, nada é mais doce do que o amor.

O casal formado pelo bancário Eduardo Nogueira e pela professora Raziel Magalhães dividiam um copo de café especial, enquanto passeavam pela feira. O bancário estava animado com as novidades, enquanto a professora fez questão de enfatizar que o café é perfeito para os momentos de descontração. “Quando penso no café logo imagino os momentos de lazer, com os quais me acostumei a consumir a bebida”. E Raziel não é a única. Se tem uma coisa que quase todo santista adora, é o bom e velho cafezinho, não importa se pela manhã com uma média, ou cará fresquinho, após o almoço. Ou mesmo durante a tarde para colocar o papo em dia com amigos e familiares, a única certeza é de que o café combina com qualquer ocasião.

A mineira Camila Sales, que mora em Santos há quatro meses, explica que é justamente essa união e sentimento de estar entre pessoas de quem gosta que tornam o consumo do cafezinho tão especial. “São os momentos em família, sentar na mesa com amigos e parentes, com as pessoas que gostamos, acho que o café significa o afeto”. Para alguns, além de uma paixão, a própria história se confunde com o café, como no caso da cafeicultora Carolina Alckmin, especializada em produção de grãos especiais para consumo local e exportação. “Minha família já está há cinco gerações vivendo do café. Foi muito interessante poder visitar a Cidade de Santos e expor nossos produtos no local que era a entrada do nosso café para o mundo e o público de Santos ama o cafezinho, isso é encantador”.

OUTRAS ATIVIDADES

A feira contou ainda com oficinas gastronômicas que ensinaram ao público presente como fazer as delícias envolvendo o cafezinho. Apresentações musicais circenses e teatrais completaram o clima de descontração. O evento foi organizado pelo museu em parceria com a Associação Brasileira da Indústria do Café Solúvel (Abics), com apoio da Secretaria de Empreendedorismo, Economia Criativa e Turismo (Seectur) por meio do Feito em Santos.

Fotos: Carlos Nogueira